domingo, 21 de junho de 2009

De Lívio Oliveira

Geografia

Geografia estranha
explorei.
Não encontrei a gema
que explodia em cores
entre os teus seios
pulsantes.
Mergulhei mais uma vez,
loucamente,
como quem busca
o colostro.
Boca infantil
saciada
em tuas auréolas
indecentes,
incandescentes.

(Lívio Oliveira)

5 comentários:

  1. Eita! Que felicidade!
    Brigadão, amigo!

    ResponderExcluir
  2. Sinceramente amigo Sérgio, poesia de mal gosto a de Lívio Oliveira. De muito mal gosto, tais versinhos. Bom domingo!

    Afonso

    ResponderExcluir
  3. Poesia toca de maneiras diferentes os sentimentos de cada um. Claro, há a técnica, mas acredito que o gosto pode variar muito. Os exemplos são muitos. No post logo abaixo deste há um exemplo claro. Particularmenter gosto muito da poesia de Lívio Oliveira. E não sou só eu. Mas o espaço é democrático e os comentários são sempre bem vindos, desde que a pessoa não seja denegrida.

    ResponderExcluir
  4. Sérgio, amigo,

    Estou acostumado com o fato de desafetos meus, anonimamente, me atacarem através do que escrevo.

    Tudo bem. Quem está na chuva é pra se molhar...

    E, como você disse, para minha alegria, há mais gente que gosta do que faço.

    Duvido, no entanto, que esse tipo de gente - que critica a minha poesia, simplesmente por não gostar de mim - mostre a cara.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  5. Por falar nisso,tem gente da província que não perdoa as vitórias pessoais dos outros...

    ResponderExcluir